Runas

Jogo de Runas ou simplesmente Runas é uma linguagem espiritual que leva o indivíduo à evolução interior, entrando em contato com o seu Eu Superior, com o sagrado e com o divino ao encontro de um bem maior, revelando a “coisa secreta” o destino a ser seguido de acordo com seu merecimento.

runas

O jogo das runas de Odin ao ser consultado NUNCA poderá ser usadas como meio de charlatanismo, pois sua linguagem traduz mensagens de divinação.

A Lenda de Odin

Diz à lenda que Odin o Deus dos deuses, ficou dependurado de cabeça para baixo na árvore sagrada: (Yggdrasil) em Asgard, por nove dias e nove noites, sofrendo todas as provações mortais, embora fosse imortal sentia muita dor.

E quando sua resistência parecia minar-se, veio a iluminação: avistou as runas no chão, desvendou seus mistérios e os revelou aos mortais.

As runas lembram pedras “pré-históricas”, símbolos pictóricos gravados pelos antigos que não conheciam a escrita, mas já se utilizavam das runas para fazer suas previsões.

Por volta de 150 a.C à 250 a.C. uma tribo Germânica estabeleceu o sistema fonético conhecido por: “FUTHARK” derivado das seis primeiras runas assim teria sido criada a escrita alfabética, partindo de um modelo encontrado no norte da Itália.
A partir destes grifus, surgiram as runas cujo significado é “Coisa Secreta”. Seus praticantes eram conhecidos como os “Praticantes de Rumenal“, que sacudiam a bolsa que continha as pedrinhas e espalhava pelo chão, interpretando os seus significados, através de seus símbolos, invertidos ou não.
Foi por volta de 117 d.C. que as runas chegaram ao Ocidente, trazidas pelas mãos dos emissários, aventureiros e comerciantes, que propagaram este método, utilizando madeira, metal ou até mesmo o couro. Muitas vezes desenhavam seus símbolos com o sangue de animais sacrificados.

Odin transmitiu à humanidade esse conhecimento obtido sobre as palavras mágicas e também de como registrar essas palavras através do alfabeto rúnico.

As Runas

Odin distribuiu as vinte e quatro runas entre três deuses: Hagal, Freya e Tyr.

Estes três deuses deram às runas suas energias. Freya, a energia de mãe, de esposa, de amante, e de irmã; Hagal, o conselheiro sábio, correto e energético; Tyr, o jovem guerreiro, corajoso e lutador.
A vigésima quinta runa, que é branca, representa Odin.

A escrita rúnica é uma das mais antigas conhecidas; tem mais de doze mil anos.
A raiz composta RU é de origem indo-européia e significa mistério ou segredo. Os antigos povos usavam acreditavam que as runas possuíam poderes mágicos que poderiam defendê-los de diversos males e os xamãs antigos entalhavam as runas nas embarcações, nas casas, colocavam runas nos leitos dos enfermos, invocando sua proteção, cura, ajuda, etc.
Durante muitos séculos, os Xamãs passavam aos seus iniciados o conhecimento das runas, preparando-os para que pudessem usar corretamente esta energia. Segundo os ensinamentos,cada runa está ligada à uma força determinada, havendo um poder específico em cada uma delas, por isso, devem ser usadas de forma correta para que os resultados sejam positivos e satisfatórios.